Depoimento de Aracy Amaral no Seminário Arquivos, Mulheres e Memórias

Posted on Posted in História da Arte
  • perfil

Encerramento do seminário, pela jornalista, crítica e historiadora da arte Aracy Amaral. Narrativa rica, forte, cheia de personalidade.

  • notas
  • Aracy se diz “viciada em pesquisa” e “ensandecida com a pesquisa”
  • “Eu sou bem década de 1950, que era quando tudo acontecia em São Paulo”
  • Contra estéticas abstratas: “Eu quero dados corretos, concretos, eu quero a obra”
  • Autodefinição: “Eu sou pesquisadora, eu não sou teórica. Eu não tenho teorias, eu apresento os dados”
  • Diagnóstico: hoje há artistas entre aspas: apenas editores, não criam formas
  • Ciclo de vida criativa do artista: na juventude, “o recado mais forte, mais virulento”, desta explosão inicial até uma cristalização ulterior
  • “A única coisa constante na América Latina: a nossa instabilidade”
  • Pisar com o próprio pé: refazia os caminhos percorridos pelos jesuítas a pé, de ônibus, para ver com os próprios olhos as obras arquitetônicas
  • Crítica ao sistema da crítica: publicação em mídias acadêmicas sem repercussão, imposta pelo sistema de pontuação; esquema deletério
  • acesso

página do evento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *